quinta-feira, 18 de março de 2010

O sono dos bebés novinhos (por Janet Balaskas)

No início, a perturbação do padrão de sono normal dos pais pela chegada do bebê pode ser a parte mais difícil de ser um novo pai e mãe.

Isso é ainda mais verdadeiro se você também tiver outro filho de 1 ano e meio até 3 anos que ainda acorda à noite, ou se levanta muito cedo pela manhã. Contudo, com o tempo você acaba se acostumando a acordar à noite e meios efectivos de se maximizar o sono podem ser encontrados.

“Como os bebês devem dormir” é actualmente um tema controverso na nossa sociedade e você provavelmente vai encontrar conselhos contraditórios de especialistas, o que pode ser bastante confuso para você e o seu bebê.

Dormir é como nós descansamos. Não precisa se tornar uma “batalha do sono” com o seu bebê, na qual os padrões de sono instintivos dele se conflitam com as suas expectativas ou os conselhos dos especialistas.

Os padrões de sono dos bebês mudam à medida que eles se desenvolvem. Embora o sono infantil siga um padrão geral, há variações nesse padrão, que dependem do temperamento e fisiologia de cada bebê.

Alguns bebês são naturalmente mais “acordadores” que outros, desde o início. Muitos bebês com padrões de acordadas nocturnas normais, mas frequentes, acabam rotulados como tendo um problema de sono ou sendo “difíceis à noite”.

Alguns pais têm expectativas não realistas sobre seu bebê e podem lutar por meses, tentando fazer com que seu filho tenha um padrão de sono que não se adequa à sua fisiologia.

É importante não vincular rótulos de “bom” ou “mau” para os padrões naturais de sono do seu bebê e tentar achar uma forma de parenting que leve esses padrões em consideração e também funcione para você.

Há várias opções que você pode levar em conta para alcançar uma harmonia nocturna. Ambos pais devem se sentir bem com a forma de dormir e estar abertos a fazerem modificações, se o plano inicial não funcionar.

Passem mais tempo ouvindo um ao outro e dividindo seus sentimentos, dúvidas e pontos de vista no assunto. Se vocês têm ideias diferentes, tentem alcançar um acordo sobre a abordagem que os deixa mais confortáveis, e estejam prontos a continuar conversando e revendo sua decisão juntos, à medida que os padrões e ritmos individuais do bebê emergem e se alteram.

No que se refere ao sono do bebê, há duas abordagens principais. Por um lado, a abordagem do “attachment parenting” se propõe a trabalhar em harmonia com os padrões biológicos do bebê, com suas necessidades de desenvolvimento e emocionais, à noite, assim como de dia.

Isso envolve ficar perto do bebê à noite e é chamado cama compartilhada (CC ou “co-sleeping”). É baseado em precedentes históricos e evolucionais, em que bebês do mundo todo têm dormido junto com suas mães, dividido seu ambiente físico e calor humano, assim como amamentando espontaneamente durante a noite.

Quando isso funciona bem, miraculosamente o ritmo de sono da mãe se ajusta ao do bebê, tornando as mamadas nocturnas muito menos cansativas.

As tendências actuais de parenting são mais centradas no adulto, criadas para treinar bebês a acomodarem seus padrões de sono para se adequarem às necessidades da vida adulta.

Nos dias actuais, muitas pessoas têm um estilo de vida pressionado pelo tempo, de movimento rápido e orientado pela carreira, que requer sono ininterrupto à noite. Essas pessoas podem, portanto, ser atraídas por um método de “treinamento de sono” que prometa que seu filho pode ser ensinado a dormir sozinho desde cedo. Pode ser dito que nossa sociedade é obcecada com fazer os bebês “dormirem a noite toda” o mais cedo possível.

Geralmente, isso vai contra a fisiologia do bebê. O treinamento de sono pode ser conveniente para os adultos envolvidos, mas há algumas objecções fortes que você pode querer considerar antes de ir por esse caminho.

Há também em uso soluções de “attachment parenting” para pais ocupados, que podem minimizar o impacto da separação temporária de seu filho.

Uma razão importante porque bebês acordam é para serem alimentados. Bebês são acostumados a se alimentar continuamente o dia todo no útero.

Aprender a comer apenas durante o dia é um processo lento que ocorre quando o bebê está fisiologicamente pronto, assim como aprender a sentar e gatinhar.

O leite materno é digerido rapidamente e os bebês tendem a se alimentar periodicamente durante a noite, assim como durante o dia, por pelo menos alguns meses. O estômago deles é muito pequeno para assegurar um suprimento que dure a noite toda.

Para alguns bebês isso pode continuar por um ano ou mais. A prolactina, o hormônio que produz leite, é produzido em maior quantidade durante a noite, quando a mãe está descansando. A mamada nocturna estimula a secreção da prolactina. Há um risco para o decréscimo de quantidade de leite da mãe, se a amamentação nocturna for eliminada e o nível de prolactina cair.

Bebês alimentados com leite artificial podem aguentar até 4 horas entre mamadas, porque a fórmula de leite de vaca demora mais para ser digerida que o leite materno, mas ainda assim esses bebês precisam ser alimentados durante a noite quando acordam.

Um bebê alimentado menos do que deve pode aparentar estar bem, mas seu desenvolvimento não vai ser óptimo. Há também uma pequena percentagem de bebês pequenos que, quando negados a mamada noturna, podem sofrer desidratação e precisar de cuidados especiais em hospital.

Eu recomendo fortemente a cama compartilhada no início (“co-sleeping”). Isso quer dizer, em suma, dormir no mesmo quarto que o seu bebê, por um mínimo de seis meses e possivelmente por um ano ou mais.

Isso pode ser feito de várias formas:

1) dividindo a cama com o bebê, dormindo com ele a uma distância em que possa ser tocado, ou

2) colocando-o num berço ou bassinete no seu quarto, ou

3) uma combinação flexível dessas opções.

Quando seu bebê tiver seis meses é uma boa época para rever seu arranjo de sono e ver se você quer introduzir alguma mudança.

O cerne da abordagem da cama compartilhada, essencialmente, não é sobre onde o seu bebê dorme, mas sim aceitar e respeitar o facto de que seu bebê tem necessidades à noite, assim como ele tem durante o dia. Essa abordagem envolve a disposição e comprometimento para responder ao seu bebê à noite, assim como você faz em qualquer outra hora.

Minha confiança nessa abordagem vem das minhas próprias experiências bem sucedidas de cama compartilhada com meus quatro filhos e as observações que eu tenho feito ao longo dos anos, de como a CC funciona bem em várias outras famílias.

Qualquer que seja o estilo de dormir que você escolha, nenhuma abordagem é infalível e nada funciona para todo mundo. É essencial escolher o que funciona melhor para a sua família, para o seu bebê, não importando o que outras pessoas façam ou recomendem. Seu tempo de sono é íntimo, privado e pessoal e realmente não diz respeito a ninguém mais além de você.

Quando decidir sobre seu arranjo de sono, você precisa ser consistente, mas não impor regras tão rígidas que não possam ser flexibilizadas ou revistas se não estiverem funcionando.

Você pode perfeitamente precisar improvisar, se seu bebê está ganhando dentes, está passando por um pico de crescimento ou está doente e, logo, acordando mais; ou se você está excepcionalmente cansado, ou se sua agenda regular foi perturbada por uma viagem ou feriado.

Não há “certos” ou um único jeito de fazer qualquer coisa como mãe e pai. O que é um problema para uma família, pode ser a solução para outra. O objectivo é achar formas para a sua família, que respeitem as necessidades do seu bebê, maximizem o sono e criem harmonia à noite.

http://www.activebirthcentre.com/Pages2/bbd18art6.html

Texto encontrado por Andréia Mortensen e traduzido por Daniela Westfahl (retirado de http://camacompartilhada.multiply.com)

1 comentário:

We Are Not Typical - WANT disse...

este continua mesmo a ser um dos temas controversos. As pessoas acreditam muito convictamente que as crianças devem dormir na sua caminha e um monte de horas de seguida. Com o tempo e muita divulgação esse esteriótipo do bebé bonitinho que dorme muito vai acabar :)