quinta-feira, 29 de abril de 2010

Doulando...

Apesar de eu advogar a extrema importância da presença de uma Doula durante a gravidez, parto e pós-parto, não só para o bem-estar da mulher mas da família, as pessoas têm-me feito ouvidos moucos.

Afinal, já gastam tanto dinheiro em exames e análises e consultas; e não têm tempo para nada, quanto mais para algo que não conseguem definir como importante: entrar em contacto com o seu bebé dentro do ventre, e com o seu corpo, de forma a experienciar uma gravidez e parto fisiológicos e naturais. (A maior parte das mulheres que conheço acha que não têm capacidade de parir, e aí está o seu primeiro e maior engano, que despoleta tudo o resto).

Conheço várias doulas. Conheço o seu acompanhamento, a sua dedicação e o seu carinho.
Poucas profissões há que necessitem de mais entrega. Afinal, quem no seu juízo perfeito se disponibiliza 24h por dia, 7 dias por semana por email/telefone/telemóvel e presencialmente a estar com cada grávida que acompanha?! A responder às suas questões, anseios, divagações, mitos e carências? A dar-lhe a força emocional (ou a ajudá-las a encontrá-la dentro de si) que todo o resto do mundo (pais, amigas, médicos, enfermeiras, colegas e às vezes até o marido) afirma peremptoriamente que elas não têm, para gestarem, para parirem, para amamentarem?!

Para mim, a nossa doula foi fundamental, e é por isso que eu muitas vezes parece que tenho comissão (mas não tenho!) quando insisto para que os casais contratem uma doula (ou pelo menos conheçam e falem com pelo menos uma, 2 ou 3 vezes na gravidez)!

Fico triste porque, com as evidências científicas que já existem hoje de que uma doula favorece o bom decorrer do parto ou a redução de necessidade de intervenções e analgesias, as pessoas continuam a achar que "não precisam" de uma doula. Tenho duas amigas que tiveram agora bebé: as duas de cesariana. Não digo que o desfecho fosse outro caso tivessem tido uma doula, mas as justificações que lhes foram dadas para cesariana não eram fortes o suficiente para tal, segundo as normas correntes...

Agora tenho mais duas amigas grávidas. Também lhes mandei imensa informação, entre outras coisas, sobre doulas, mas não pareceram muito entusiasmadas. O máximo que posso fazer é indo-as "doulando", quando me perguntam algo ou confiam em mim para pedir a opinião em relação a algo.

Uma das grávidas é a minha minha prima goesa que conheci em Setembro. Está longe e não parece haver muitas doulas para aqueles lados. Logo aí vejo que fui uma privilegiada. Encontrei foi um centro de partos http://www.birthing-center.com/ para aqueles lados que pelas críticas positivas que tem aparenta ser um oásis no deserto da humanização do parto na Índia.

Por isso fico perplexa quando vejo artigos tipo o "Na melhor companhia" da revista Pais e Filhos deste mês: falam do acompanhamento da grávida, mas sem referir as doulas?!
Esquecimento ou omissão?

Imperdoável, em qualquer dos casos.

2 comentários:

Cat disse...

esta LIIIINNNDDDOOO este post!!!
Pode ir para o meu blog? para o mês internacional da doula?

want a miracle disse...

é bem verdade que as doulas são muito importantes. bolas, porque é que as grávidas e mamãs não nos dão ouvidos?

beijinhos